Ponto de Vista: “A Vida de Freud e sua visão sobre as Mulheres”

16 de outubro de 2016 | Artigos | Comentários desativados

Ponto de Vista: “A Vida de Freud e sua visão sobre as Mulheres”

Ponto de Vista:

“A vida de Freud e a sua visão sobre as mulheres”

Uma crítica frequente de Freud é que ele não entendia as mulheres e que sua teoria da personalidade é principalmente uma teoria orientada para os homens. Há uma grande dose de verdade a esta crítica, e Freud reconheceu que ele não tinha um entendimento completo da psique feminina. Perto do fim de sua vida, ele ainda estava perguntando: “O que quer a mulher?” (Jones, 1955, p. 421).
Por que Freud não sabia o que as mulheres queriam? Uma resposta é que ele era um produto de sua época, e da sociedade durante esses tempos foi dominado por homens. No século XIX na Áustria, as mulheres eram cidadãs de segunda classe, com poucos direitos ou privilégios. Elas tinham pouca oportunidade de ingressar em uma profissão ou ser um membro de uma organização profissional, tal como a Psychological Society de Freud.
Assim, durante meados do século a psicanálise era um movimento, mais precisamente um clube exclusivamente para homens. Após a I Guerra Mundial, as mulheres gradualmente tornaram-se atraídas para a psicanálise e algumas dessas mulheres, como Marie Bonaparte, Helene Deutsch, Melanie Klein, Lou Andreas-Salomé, e Anna Freud foram capazes de exercer alguma influência sobre Freud. No entanto, elas nunca foram capazes de convencê-lo de que as semelhanças entre os sexos superam diferenças.
O próprio Freud era um cavalheiro burguês vienense cujas atitudes sexuais foram formadas durante uma época em que se esperavam mulheres para administrar a casa, cuidar das crianças e ficar de fora do negócio ou profissão do marido.
Martha Freud não foi uma exceção a esta regra. Ela não mostrou nenhum interesse na vida profissional de seu esposo, cuidava da casa, era responsável pelas refeições, aceitava a responsabilidade primária na criação de seus seis filhos, e geralmente tentava tornar a vida do seu marido o mais fácil possível (Gay, 1988).
Se examinarmos as primeiras experiências de Freud com as mulheres, podemos ver razões pelas quais o seu retrato delas foi desviado para um viés masculino. Freud nasceu em 1856, sendo o filho mais velho e mais privilegiado em uma família que incluía principalmente irmãs. Julius, um irmão mais novo e potencial rival morreu em 1858 aos 7 meses de idade. Então, durante os próximos 5 anos, a mãe de Freud deu à luz cinco filhas, cada uma nascida cerca de um ano de diferença da outra: Anna em 1858, Rosa em 1860, Marie em 1861, Adolfine em 1862, e Pauline em 1863.
Rodeado por cinco irmãs, todas em um período que estavam dentro dos 7 anos de idade Freud reinava supremo no mundo feminino. Quando seu irmão Alexander nasceu 3 anos após a irmã mais nova, os pais permitiram que Freud auxiliasse na escolha do nome do irmão, por ser ele o filho mais velho, com 10 anos de idade. Freud então escolheu Alexander depois de Alexandre, o Grande, um guerreiro com quem ele muito se identificou.
Como o filho mais velho e mais favorecido, Sigmund governou sobre suas irmãs, aconselhando-as sobre livros para ler e as conduzia as palestras com ele, com as quais falava sobre o mundo em geral.
Um incidente com um piano revela mais uma prova da posição favorecida de Sigmund dentro de sua família. Anna, juntamente com outras irmãs de Freud, gostava de música e descobriu o prazer de tocar piano. Quando a música tocada por Anna irritou o Sigmund que era muito estudioso, o menino queixou-se a seus pais que ele não conseguia concentrar-se em seus livros. Os pais imediatamente removeram o piano da casa, deixando as quatro irmãs mais jovens de Sigmund sem a oportunidade de aprender a tocar. Essa foi uma demonstração de que os desejos das cinco meninas não se igualavam a preferência de um menino.
Como muitos outros homens de sua época, Freud considerava as mulheres como o “sexo concurso,” adequadas para cuidar do lar e nutrir as crianças, mas não iguais aos homens em assuntos científicos e acadêmicos. Suas cartas de amor para sua futura esposa Martha Bernays estão cheias de referências a ela como “minha menina”, “minha pequena mulher”, ou “minha princesa” (Freud, 1960). Freud, sem dúvida, teria sido surpreendido ao saber que 120 anos mais tarde, estes termos de carinho são vistos por muitos como depreciativa para as mulheres.
Embora Freud se refira à sua noiva como “minha menina” e “minha pequena mulher”, ele viu seu namoro com Martha tão unilateral-em seu favor! Freud tinha caído no amor com Martha, à primeira vista, mas ele temia que ela não o amasse tanto quanto ele a amava. Em meio do caminho através de seu engajamento de 4 anos, ele escreveu para ela, dizendo: “Eu realmente acho que eu sempre te amei muito mais do que eu…. Eu tenho me dedicado, me esforçado por você e você me aceitou sem qualquer grande afeto” (Freud, 1960, p. 117). Durante o seu namoro com Martha, e talvez pela única vez em sua vida adulta, viu-se em uma posição subordinada a outra pessoa. Ele quase deificado por Martha, colocando-a em um pedestal, escreveu mais cartas para ela do que ela escreveu para ele.
Como a maioria dos homens do seu tempo, no entanto, ele assumiu que depois do casamento de sua esposa viria do que sublime poleiro e realizaria as tarefas domésticas braçais esperadas de mulheres da classe média vienenses. Logo depois que eles ficaram noivos, escreveu a Martha detalhando o conteúdo de um lar feliz. Estes incluíram um fogão, mesas, cadeiras, camas, um relógio, e “tapetes para ajudar a dona de casa manter os pisos limpos.” Freud passou a dizer “não haverá muito que aproveitar os livros e a mesa de costura e a lâmpada acolhedora, e tudo deve ser mantido em bom estado, ou então a dona de casa, que tem dividido seu coração em pedaços pequenos, um para cada peça de mobiliário, começará a se preocupar “(Freud, 1960, p. 27).
Em uma carta enviada mais tarde, Freud queixou-se a Martha que ele não tinha controle sobre ela. “Eu achei você tão plenamente amadurecida e ocupada, e você era dura e reservada e eu não tinha nenhum poder sobre você” (Freud, 1960, p. 117). No entanto, após o brilho do romance desapareceu com a hipótese do casamento feliz, Freud ganhou controle sobre Martha, como fez com quase todos os seus amigos íntimos. Na casa dos Freud, o papel de Martha foi claramente delineado. Era ela quem limpava a casa, quem preparava as refeições, alimentava as crianças, e controlava as contas pagas, e ainda fazia refrescos aos membros da Psychological Society, cuja reunião acontecia nas quartas-feiras, quando se encontravam na casa de Freud.
Freud, sem dúvida, amava seus filhos, mas ele foi apenas marginalmente envolvido na sua educação. Sua atitude em relação a eles pode ter sido expressa em uma carta a Martha enquanto escrita em férias em Veneza 6 meses antes do nascimento de seu filho mais novo. “Eu espero que você e todos os pirralhos estejam muito bem” (Freud, 1960, p. 231).
Freud continuamente às voltas com a tentativa de compreender as mulheres, e os seus pontos de vista sobre a feminilidade mudou várias vezes durante sua vida. Como um jovem estudante, exclamou a um amigo, “Como é sábio nossos educadores que eles incomodam o belo sexo tão pouco com o conhecimento científico” ( Gay, 1988, p. 522). Durante a primeira metade de sua carreira psicanalítica, ele via o crescimento psicossexual masculino e feminino como imagens de espelho um do outro, com diferentes mas paralelas linhas de desenvolvimento. A partir de 1923 em diante, no entanto, ele percebeu que a noção de que as meninas são meninos fracassou e que as mulheres adultas são semelhantes a homens castrados.
Freud propôs estas ideias provisoriamente, mas ele defendeu-as com firmeza e se recusou a comprometer os seus pontos de vista. Quando as pessoas criticaram sua noção de feminilidade, Freud respondeu através da adoção de uma postura cada vez mais rígida. Na década de 1930 ele estava insistindo que as diferenças psicológicas entre homens e mulheres eram devido às diferenças anatômicas e não poderia ser explicada por diferentes experiências de socialização. No entanto, Freud sempre reconheceu que ele não entendia as mulheres, assim como ele fez os homens. Ele os chamou de “continente negro para a psicologia” (Freud, 1926 / 1959b, p. 212). Em sua declaração final sobre o assunto, Freud (1933/1964) sugeriu que “se você quiser saber mais sobre a feminilidade, informe-se de suas próprias experiências de vida ou vire um poeta” (p. 135).
Apesar de alguns dos colaboradores mais próximos de Freud habitarem no “continente negro” da feminilidade, seus amigos mais íntimos eram homens. Além disso, as mulheres, como Marie Bonaparte, Lou Andreas-Salomé e Minna Bernays (sua irmã-de-lei) que fez exercer alguma influência sobre Freud, eram em sua maioria entendidas a partir de um padrão semelhante. Ernest Jones (1955) se referiu a elas como as mulheres intelectuais com um “elenco masculino” (p. 421). Estas mulheres foram muito além de mãe e esposa de Freud, tanto que eram mulheres vienenses adequadas e mães cujas principais preocupações eram para o seu marido e filhos. Colegas e discípulas de Freud foram selecionadas por sua inteligência, força emocional, e fidelidade, as mesmas qualidades Freud achava atraente em homens. Mas nenhuma dessas mulheres poderia ser substituída por um amigo íntimo do sexo masculino.
Em agosto de 1901, Freud (1985) escreveu ao seu amigo Wilhelm Fliess: “Na minha vida, como você sabe, mulher nunca substituiu um companheiro, o amigo” (p. 447).
A preferência de Freud foi por companheiros do sexo masculino, como Fliess, Carl Jung, e os seis membros de sua “Place Guard”, um comitê clandestino em relação composta de Otto Rank, Karl Abraham, Max Eitingon, Ernest Jones, Sandor Ferenczi, e Hanns Sachs. Com esses homens, Freud poderia revelar seus pensamentos e sentimentos particulares. Em relação às mulheres, no entanto, sua atitude era mais ambivalente. Ele admirava e respeitava aqueles que projetaram qualidades “masculinas”, mas ele reservou uma paixão especial para sua mãe e mulher, cujo “femininos” traços eram tão atraentes para ele.
Mas por que Freud era incapaz de entender as mulheres? Dada a sua educação durante o meio do século XIX, a aceitação dos pais de seu domínio de suas irmãs, uma tendência a exagerar as diferenças entre mulheres e homens, e sua crença de que as mulheres habitavam o “continente negro” da humanidade, parece improvável que Freud possuía as experiências necessárias para entender as mulheres. Para o fim de sua vida, ele ainda tinha que perguntar: “O que quer a mulher”? A questão se revela preconceito de gênero de Freud porque ele assume que as mulheres todas querem as mesmas coisas e que seus desejos são de algum modo diferente das dos homens.
A teoria freudiana da Feminilidade
Enraizado tanto na prática clínica com pacientes e tentativas especulativas de apreender e delinear conceitos fundamentais, a psicanálise de Freud tem como objetivo oferecer descrições de estruturas psíquicas que fundamentam e explicam experiência individual na variedade das suas formações empíricas. Ao invés de o indivíduo racional egoísta presumida pela teoria política liberal ou o cogito autossuficiente e independente presumido pela epistemologia cartesiana, Freud invoca um sujeito dividido, desconhecido para si, um “eu” atravessado por múltiplas agências.
De acordo com Kristeva, “a descoberta de Freud designado sexualidade como o nexo entre linguagem e sociedade, unidades e a ordem sócio simbólica” (Kristeva 1984, 84). Visão de Freud que em outras palavras, é sobre o fato de as ligações sexuais nos iniciar na subjetividade e na civilização.
Freud distingue impulsos humanos dos instintos na medida em que as unidades (ao contrário instintos) não têm por objetivo ou objeto pré-determinado fornecidos pela natureza e seguem um caminho nada biológico. Para aqueles que habitam um mundo humano, as unidades podem vir a ser ligadas a qualquer número de objetivos ou objetos, e sentir-se através de qualquer número de locais corporais. Unidades, de acordo com Freud, tornam-se especificadas nestas formas através da mediação de ideias ou representações. A encarnação humana é, portanto, embutida de significados opacos, e a sexualidade emerge-se de um tipo de inadequação instintiva que apresenta o desejo como uma dificuldade ou problema, e impulsiona a sua complexificação crescente.
O núcleo da afirmação de Freud sobre o impacto da sexualidade em processos psíquicos pode ser discernido começando com os primeiros trabalhos de Freud sobre a histeria, embora uma transformação fundamental em seu pensamento deve ser esclarecida. Em Estudos sobre a histeria (1895), escrito em colaboração com Josef Breuer, Freud examina o fenômeno pelo qual um sintoma pode existir na ausência de uma lesão orgânica. A histeria é diagnosticada quando se trata de uma ideia ou de memória que faz com que um doente, sem qualquer doença física sendo a causa. Por definição, a histeria é causada por uma ideia, em que designa o processo pelo qual uma ideia preocupante mas reprimido é convertido em um sintoma corporal. Freud inicialmente postula que os sintomas histéricos surgem como resultado da sedução violenta infância (o que hoje seria chamado de abuso sexual), um trauma real que é então retroativamente posta em movimento por um segundo, comparativamente mais leve, evento, após um período de latência. A “hipótese sedução” é uma tentativa de explicar a etiologia da histeria (as origens da neurose) pela força traumática de uma experiência sexual precoce que ocorre na infância, um evento externo que colide com o aparelho psíquico, mas cuja memória é reprimido, pela consciência. A memória reprimida se torna somatizadas (promulgada no corpo e em sintomas corporais) quando um evento posterior, ocorrendo geralmente na puberdade, catalisa os traços de memória anteriores. A cura pela fala é desenvolvida como uma maneira de trazer memórias reprimidas para a frente e libera-las..
Nos posteriores Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade (1905), Freud sustenta, ao contrário da suposição anterior de que a sexualidade intervém de fora, que a sexualidade é uma força primordial e inata (se ainda incipiente) da vida infantil, decorrente do corpo sensações que acompanham os processos da vida. No intervalo entre esses dois trabalhos, Freud tinha abandonado a hipótese de sedução e substituiu-o com a tese da sexualidade infantil e a ideia de que os sintomas são trazidos através dos conflitos e repressões de fantasia inconsciente. Em outras palavras, ele não é mais memória reprimida que faz com que um doente e traumática violência sexual figuras não mais como a principal causa dos sintomas.
Em vez de uma experiência do passado real, Freud postula fantasia como o fator determinante dos sintomas neuróticos. Para entender o significado dessa transição em seu pensamento, devemos entender o que Freud quer dizer com a realidade psíquica e sua distinção da realidade material. Em contraste com o domínio histórico, intersubjetiva da realidade material, a realidade psíquica é o domínio vital da fantasia e intrapsíquica vida, operando independentemente de considerações objetivas de veracidade. Na visão de Freud, fantasias inconscientes não são mentiras ou enganos, mas revelar uma verdade, não sobre o mundo objetivo, mas sobre a vida interna do sujeito, que se é o que se quer. Talvez seja melhor dizer que as fantasias esconder esta verdade, pois articulações conscientes do desejo e da identidade, muitas vezes, nos enganar, expressando mas distorcer, manifestando, mas negando, desejos do indivíduo.
Como documentos de Freud em “Recordar, repetir e Trabalhar ” (1914), o movimento conjectural da memória ao desejo e de fato à fantasia também um movimento de cenas externas de sedução para atos psíquicos internos, de eventos passados para presente- forças dia, e de submissão passiva a manutenção ativa de discórdia. Em vez de um evento externo que colide com a sexualidade não desenvolvida de uma criança, a ideia da sexualidade infantil pressupõe simultaneamente uma força de unidade energética no trabalho desde a mais tenra infância e uma dissensão interna ou intrapsíquico, um assunto em desacordo com seus próprios desejos. A tese da sexualidade infantil universaliza caso de trauma, localizando sua experiência nos excitações instintuais que sobrecarregam o aparelho psíquico que é prematuramente afetados. Ao descartar a hipótese de sedução, Freud não só descobre o domínio de fantasia e realidade psíquica, mas ele também abre o caminho para considerando a energética da libido, o conflito intrapsíquico que é intrínseca ao ser humano, e a ideia de responsabilidade para as dissonâncias do desejo e as escaramuças que moldam a vida e seus padrões. Enquanto controvérsia girava em torno rejeição da hipótese de sedução de Freud, sem a suposição escandalosa da sexualidade infantil não haveria nenhuma teoria psicanalítica do inconsciente. Embora alguns revisionistas argumentam que Freud abandona os seus princípios e trai seus pacientes, de fato Freud nunca repudia a realidade do abuso sexual ou nega que algumas crianças são molestadas.
Pelo contrário, a transformação em seu pensamento diz respeito à etiologia da histeria no sentido de diagnóstico; neuroses já não são disse ter origem em (presumivelmente raro) a violência sexual na infância, e, portanto, eles podem ser vistos a penetrar em vez de se opor a qualquer coisa que possa ser considerada desenvolvimento sexual normal. Ao descartar a ideia de uma inocência primária ou ontológica da psique que é então violentamente imposta a partir do exterior, Freud chega a premissa fundamental do pensamento psicanalítico.
O exemplar desta atividade fantasmática do inconsciente é o Complexo de Édipo. Em escritos posteriores de Freud sobre feminilidade, incluindo “Feminilidade” (1933), “Sexualidade Feminina” (1931), e “sobre as consequências psicológicas da distinção anatômica entre os sexos” (1925), Freud postula que edipianas corridas complexas da menina um curso diferente de que o menino possui uma relação diferente com a angústia de castração. Crucialmente, Freud sustenta que a feminilidade não pode ser apreendida a partir de uma perspectiva biológica ou convencional (Freud 1968 [1933], 114). Outra maneira de colocar isto é que a diferença sexual é centralmente preocupada com a realidade psíquica e não a realidade material, com o reino da fantasia em vez de natureza ou cultura. A história de Édipo é a história do desenvolvimento psíquico, a história de como nos tornamos sujeitos e em indivíduos tornando-se, como nos tornamos sexualmente diferenciada.
O menino e a menina começam, o ciclo, no mesmo lugar emocional, ligado à mãe, e é por causa deste compartilhada ponto que Freud afirma que a menina é um homenzinho de partida; eles ainda não são distintos ou sexualmente diferenciada. É por esta razão também que Freud mantém a ideia de um único, masculino, libido: a libido não é neutro na visão de Freud desde o seu objeto original é a mãe e esse desejo para a mãe é associada por Freud com a masculinidade e atividade, assim como ele associa prazer clitoriano criança com gozo fálico. Ainda Freud reconhece que, em estágios mais primordiais da libido, não pode haver distinção sexual. Não é até que as crianças passam pelo Complexo de Édipo que pode propriamente dizer que têm uma organização genital uma vez que este é adquirido através de uma relação com a castração e é a última fase do desenvolvimento sexual (a seguir oral, anal, e estágios fálicos). Daí as crianças na infância são “pequenos homens ‘, o seu desejo interpretado através dos termos de uma única libido masculina.
Freud parece genuinamente perplexo pela forma como feminilidade vem sobre: dada a pré-história da garota de amor e apego à mãe, por que ela iria mudar lealdades ao pai? E uma vez que, antes da organização genital, ela também passa por uma fase fálica (masturbação), por que ela mude o local de prazer corporal do clitóris para a vagina? Estes estão entre os mistérios que ele significa para designar ao referir-se o enigma da feminilidade. Que ele entende que ele seja um enigma também dá a entender que ele entende a identidade sexual não como um pré-determinado essência natural, enraizado na anatomia, mas sim como uma forma de individuação e diferenciação realizada por meio da interação complexa entre as unidades corporais e outros familiares. A história do menino é mais uniforme e contínua desde que ele mantém seu prazer fálico e, embora ele deve deslocar o objeto imediato de seu desejo (não a mãe, mas alguém como ela), pode olhar para a frente para substituir objetos. Apego edipiano do menino para a mãe segue ininterruptamente a partir de uma ligação pré-edipiana e é levado a um fim pela ameaça de castração que emana do pai. Na conclusão do Complexo de Édipo o menino se identifica com o pai, estabelece um superego dentro, e abandona o objeto imediato do desejo com a promessa de que ele também será um dia possuir um objeto semelhante modelado na mãe. Mas Édipo Complexo da menina é necessariamente mais complicada, uma vez que só pode ser instigado por uma quebra da relação de pré-edipiano à mãe e, portanto, uma formação secundária. Freud postula que é a percepção de que a amada mãe é castrada que pede a menina para transformar seu amor para seu pai. Para a menina, em outras palavras, a castração não resolve o Complexo de Édipo, mas leva-a a entrar nele, e por esta razão Freud afirma que nunca é totalmente levado a uma conclusão ou demolido, assim, contabilidade, em sua opinião, para as meninas ‘ mais fracos superegos e menor capacidade de sublimação. A menina fez de sua mãe não por medo, mas por desacato e por causa de inveja para o que a mãe não possui. O pai representa para ela nem uma ameaça (ela encontra-se já castrados), nem a perspectiva de um desejo satisfeito no futuro (o único substituto para o pênis que falta é um filho de seu próprio), como ele faz para o menino que pode identificar com ele e esperamos eventualmente ter o que ele tem. única promessa do pai é, portanto, como um refúgio contra perda, representado pela mãe que carrega essa perda e quem é a culpa para a menina sozinha. No cenário edipiano da menina, o pai, ao contrário da mãe castrada, significa a capacidade viril do próprio desejo, que ela mesma não tem, mas pode recuperar através do fornecimento de um outro homem da oportunidade de ter um filho. Na trajetória de Édipo Complexo da menina, feminilidade é realizado como o desejo de ser o objeto de desejo masculino.
As teorias da sexualidade e do inconsciente de Freud implicam não só a psicologia individual, mas também a constituição da vida social. Formada em relação ambivalente com os outros, sexualidade e identidade sexual permeiam os laços de civilização e se ramificam em todas as relações sociais. Na voltando sua atenção às questões culturais mais amplos, Freud oferece uma história ou mito da origem de estruturas políticas que paralelos e ecoa sua compreensão da psique individual. Para compreender a importância política do Complexo de Édipo, que será útil para colocá-lo de forma mais geral, no âmbito do entendimento de Freud da psicologia de grupo. Em Psicologia de Grupo e Análise do Ego (1921), Freud contesta qualquer oposição clara entre grupo e psicologia individual e alega que a infância humana é, desde o início imerso em um mundo dos outros. Mesmo em psicologia ostensivamente individual, há sempre um outro envolvido, como modelo ou objeto, como local de identificação ou como objeto de amor. Identificação e amor, que formam o núcleo da identidade, já são “fenómenos sociais” e, inversamente relações sociais estão se como premissa desenvolvimentos que ocorrem na família. Assim, é equivocada a cortar indivíduo de psicologia de grupo, como se eles não eram, por natureza, misturados ou para supor que haja algum tipo de instinto social especial separada das unidades que energizar o indivíduo.
Dito de outra forma, o sujeito individual não é nem formado de forma totalmente independente em uma espécie de interioridade solitária, nem formada como apenas um efeito de forças sociais exteriores.
Totem e Tabu (1913) é a tentativa de Freud para explicar a origem da vida social, os laços que, por sua conta, detêm os homens juntos, com base em fenômenos psíquicos. Freud prevê uma sociabilidade pré-político primitivo em que uma horda primitiva de irmãos é oprimida por um pai poderoso que reivindica para si todas as mulheres, todo o prazer, disponíveis na comunidade. Os irmãos são privados ou exiladas, e eles são motivados a se unirem para derrubar o pai; eles visam, isto é, para matar o pai e tomar para si as suas mulheres, delitos que espelho, em um nível coletivo, o edipiano desejo de crianças do sexo masculino.
Na história de Freud, o assassinato do pai não resulta em liberdade sem lei e acesso ilimitado a objetos sexuais (a guerra civil fraterna), mas sim na criação de totens e tabus-o pai primal torna-se uma figura totêmica, um objeto ancestral venerado, e ações do irmão em matá-lo e reivindicar suas mulheres são reconcebido como as transgressões proibidos de assassinato e incesto. Os dois tabus sanguíneos que são instituídos como lei, as proibições de incesto e assassinato, assim, ter uma origem comum e emergem simultaneamente, e juntos eles mandatar os processos sociais de exogamy (casamento fora do próprio kin) e do totemismo (laços comunitários de filiação estabelecidos por meio de um ancestral comum). Freud desse modo aliados formação política com os dois desejos primordiais das crianças e os dois crimes de Édipo, previsão de exogamia sobre o tabu do incesto, e laços fraternos sobre a sacralização da vida e a proibição de assassinato. Totemismo e a exogamia também implica a igualdade fraterna: a fim de que ninguém tomar o lugar do pai e assumir seu poder singular, os irmãos são igualmente constrangido e igualmente respeitado, a distribuição de mulheres igualmente previstas.
Representando a criação de uma sociedade estável baseado na lei (embora fundada na violência), conto de Freud serve como um paradigma para não apenas rudimentar, mas também duradoura e, relações políticas contemporâneas, que ele vê como enraizada em impulsos inconscientes, mas orientado para a obtenção de uma estabilização ou equilíbrio dessas unidades a nível comunal. Na narrativa de Freud, é a relação pai / filho que importa para o estabelecimento dessa relação política semi-estável, uma banda de irmãos com direitos iguais. Esta linhagem funda a ordem política em fraternidade assassino, com as mulheres como objetos de troca não-cidadãos sujeitos.
Além disso, para explicar o advento da existência legal, Freud identifica algo recalcitrante, intratável em regime de uma social espécie de autoagressão (o superego) que liga o prazer com a agressão, e assim que carrega uma força potencialmente desestabilizador. a atitude dos filhos para o pai é um dos ambivalência, o ódio qualificado pela admiração, assassinato seguido de culpa e remorso. Os irmãos comemorar esta perda e manter seu vínculo com o outro na cerimónia pública da refeição totem, onde, juntos, eles consomem uma substância comum (corpo do pai transubstanciado no totem sacrificado), e, assim, afirmar a sua comunhão e obrigação mútua. Esta confirmação da substância compartilhada paternal e de parentesco, e o coletivo afetam de amor, perda, culpa e luto, mantém laços de identidade. A lei que emerge ritualiza assassinato do pai e reforça seus decretos, proibindo o homicídio e incesto na esfera pública, e toma conta internamente no superegóico “não” da proibição, produzindo uma sensação permanente de culpa que impulsiona a civilização e a torna uma licença perpétua fonte de descontentamento. As mulheres, no entanto, parecem não como sujeitos de direito, mas como objetos de sua troca;
Além disso, dado o prolongamento indefinido do seu Complexo de Édipo, as mulheres serão mais propensas a ser hostil aos decretos da civilização na medida em que estes violem a vida familiar.
A relação entre pai e filho também está contido, se oculta, na conta de Freud oferece em O Ego e o Id (1923) de como o ego emerge. Há Freud escreve que a identificação é “a expressão mais precoce de um laço emocional com outra pessoa” (Freud 1968 [1923], 37), ou seja, é antes de catexias de objeto ou relações de desejo. O primordial libidinal, mas não-objetal, o apego é com o pai da “pré-história pessoal” (Freud 1968 [1923], 37). O retiro subsequente e recorrente a partir catexia objetal (investimento de energia instintiva em um objeto) para identificação (retirada do que a energia para o self), é o principal mecanismo de ego-formação, levando o objeto perdido em si mesmo. Uma vez que o ego é o “precipitado” de objetos abandonados, ele é configurado através da perda, em uma reabsorção melancolia que incorpora via objetos de identificação a partir do qual o ego de outra forma seria exilado.
Assim como o pai mantém domínio na vida política depois de sua morte, então ele domina a vida psíquica, mesmo antes da formação do ego. Na teoria freudiana, o reino do pai é generalizado, sua soberania estendida em todos os domínios. privilégio das relações paternas e fraternas de Freud fornece o ímpeto para muito do feminismo psicanalítico, como será discutido abaixo.
Carlos Terceiro é M.D. em Psicanálise Percurso Multidisciplinar da ABMP-DF

Referências

Beauvoir, Simone de, 1989 [1949], O Segundo Sexo , trans. HM Parshley, New York: Vintage Books.
Benjamin, Jessica, 1988, os laços de amor , New York: Pantheon Books.
— De 1998, como sujeitos, objetos Amor , New Haven: Yale University Press.
Brennan, Teresa, 1992, A Interpretação da Carne: Freud e Feminilidade , New York: Routledge.
—, 1993, a história depois Lacan , New York: Routledge.
Chodorow, Nancy de 1978, a reprodução da Mothering: Psicanálise e da Sociologia do Género , Berkeley: University of California Press.
Cixous, Helene e Clemente, Catherine, 1986 [1975], A Mulher Recém-Nascido , trans. Betsy Wing. Minneapolis: University of Minnesota Press.
Dinnerstein, Dorothy de 1976, The Mermaid eo Minotauro: arranjos sexuais e mal-estar humano , New York: Harper & Row.
Freud, S (1926 / 1959b). A questão da análise leiga. Na edição Standard (Vol. 20).
Freud, S. (1933/1964). Novas conferências introdutórias à psicanálise. Na edição Standard (Vol. 22).
Freud, S. (1960) Cartas de Sigmund Freud New York. (EL Freud, Ed .; T. Stern & J. Stern, Trans.):. Basic Books.
Freud, S. (1985) As letras completas de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess, 1887-1904 (JM Masson, Ed e Trans.). Cambridge, MA:.. Harvard University Press.
Freud, Sigmund, 1968 O Standard Edition do psicológico Obras Completas de Sigmund Freud , ed. e trans.James Strachey. Londres: The Hogarth Press.
—, 1968 [1895], Estudos sobre a histeria , em The Standard Edition , vol. II.
—, 1968 [1905], Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade , em The Standard Edition , vol. VII.
—, 1968 [1913], Totem e Tabu , no The Standard Edition , vol. XIII.
—, 1968 [1914], “Recordar, repetir e de Trabalho-Through,” em O Standard Edition , vol.XII.
—, 1968 [1921], Psicologia de Grupo e Análise do Ego , em The Standard Edition , vol.XVIII.
—, 1968 [1923], O Ego eo Id , no The Standard Edition , vol. XIX.
—, 1968 [1925], “Algumas Consequências Psíquicas da Distinção Anatômica entre os sexos,” em O Standard Edition , vol. XIX.
—, 1968 [1930], Civilização e seus descontentes , no The Standard Edition , vol. XXI.
—, 1968 [1931], “Sexualidade Feminina”, em The Standard Edition , vol. XXI.
—, 1968 [1933], “Feminilidade”, em The Standard Edition , vol. XXII.
Gallop, Jane de 1982, sedução da filha , Ithaca: Cornell University Press.
—, 1985, Reading Lacan , Ithaca: Cornell University Press.
Gay, P. (1988) Freud:.. Uma vida para o nosso tempo New York: Norton.
Grosz, Elizabeth de 1990, Jacques Lacan: Uma Introdução feminista , New York: Routledge.
Irigaray, Luce, 1985a [1974], Speculum da outra mulher , trans. Gillian C. Gill, Ithaca: Cornell University Press.
—, 1985b [1977], esse sexo que não é Um , trans. Catherine Porter, Ithaca: Cornell University Press.
—, 1993a [1984], Uma ética da diferença sexual , trans. Carolyn Burke e Gillian C. Gill, Ithaca: Cornell University Press.
—, 1993b [1987], Sexos e genealogias , trans. Gillian C. Gill, New York: Columbia University Press.
—, 1993c [1990], Je, Tu, Nous: Para uma cultura da diferença , trans. Alison Martin, New York: Routledge.
—, 1994 [1989], Pensar a diferença , trans. Karin Montin, New York: Routledge.
—, 1995a, ” ‘Je-Luce Irigaray’: Um Encontro com Luce Irigaray,” entrevista com Elizabeth Hirsh e Gary Olson, em Hypatia vol. 10, no. 2, Bloomington: Indiana University Press.
—, 1995b, “A Questão do Outro”, em Yale Estudos Franceses , não. 87.
—, 1996 [1995], I Love to You: Esboço de um Felicity Possível em História , trans. Alison Martin, New York: Routledge.
—, De 2001 [1994], Democracia começa entre dois , trans Kirsteen Anderson, New York: Routledge.
Jones, E. (1955) A vida e obra de Sigmund Freud (Vol. 2) Nova York:.. Basic Books.
Klein, Melanie, 1984a, Amor, Culpa e Reparação e outras obras 1921-1945 , New York: Free Press.
—, 1984b, Inveja e Gratidão e outras obras 1946-1963 , New York: Free Press.
Kofman, Sarah, 1985 [1980], O Enigma da Mulher: Mulher nos escritos de Freud , trans.Catherine Porter, Ithaca: Cornell University Press.
Kristeva, Julia, 1982 [1980], Powers of Horror: Um Ensaio sobre abjeção , trans. Leon S. Roudiez, New York: Columbia University Press.
—, 1984 [1974], Revolução na Linguagem Poética, trans. Margaret Waller, New York: Columbia University Press.
— De 1986, “o tempo das mulheres”, em A Kristeva Reader, ed. Toril Moi, New York: Columbia University Press.
—, 1987 [1983], Tales of Love, trans. Leon S. Roudiez, New York: Columbia University Press.
—, 1989 [1987], Black Sun: Depressão e Melancholia, trans. Leon S. Roudiez, New York: Columbia University Press.
—, 1991 [1988], estranhos para nós mesmos, trans. Leon S. Roudiez, New York: Columbia University Press.
— De 1998, “o sujeito em processo,” em O Tel Quel Reader, eds. Patrick ffrench e Roland-Francois Lack, New York: Routledge.
—, De 2002 [1997], revolta íntima: Os Poderes e Limites de Psicanálise, trans. Jeanine Herman, New York: Columbia University Press.
Lacan, Jacques, 1977 [1973], o Seminário de Jacques Lacan, Livro XI: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise, trans. Alan Sheridan, Nova Iorque: Norton.
—, 1982, a Feminine Sexuality, eds. Juliet Mitchell e Jacqueline Rose, trans. Juliet Mitchell, New York: Norton.
—, 1991a [1975], o Seminário de Jacques Lacan, Livro I: Documentos de Freud sobre Técnica, trans. John Forrestor, Nova Iorque: Norton.
—, 1991b [1978], o Seminário de Jacques Lacan, Livro II: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise, trans. Sylvia Tomaselli, New York: Norton.
—, 1992 [1986], o Seminário de Jacques Lacan, Livro VII: A Ética da Psicanálise, trans.Dennis Porter, New York: Norton.
—, 1993 [1981], o Seminário de Jacques Lacan, Livro III: The Psicoses, trans. Russell Grigg, Nova Iorque: Norton.
—, 1998 [1975], o Seminário de Jacques Lacan, Livro XX: On Feminino Sexualidade: Os limites do amor e conhecimento, trans. Bruce Fink, New York: Norton.
—, 2006 [1970], Escritos, trans. Bruce Fink, New York: Norton.
Laplanche, J. e Pontalis, J.-B., 1973 [1967], o idioma de Psicanálise, trans. Donald Nicholson-Smith, Nova Iorque: Norton.
Mitchell, Juliet, 1973, Psicanálise e Feminismo, New York: Vintage Books.
—, 1982, “Introdução-I”, em Feminine Sexuality, eds. Mitchell e Rose, New York: Norton.
Rose, Jacqueline de 1982, “Introdução-II”, em Feminine Sexuality, eds. Mitchell e Rose, New York: Norton.
—, 1986, a sexualidade no campo de visão, Londres: Verso.
Winnicott, DW, 2005, Brincar e Realidade, New York: Routledge.

Comentários estão bloqueados.